Começa a enorme busca subterrânea pela misteriosa matéria escura

Quando a experiência acabar, a hipótese de encontrar matéria escura com este dispositivo é "provavelmente inferior a 50%, mas superior a 10%".

Numa antiga mina de ouro a uma milha de profundidade, dentro de um tanque de titânio cheio de um gás liquefeito raro, os cientistas começaram a busca pelo que até agora não foi encontrado: a matéria escura.

Os cientistas acreditam que o material invisível compõe a maior parte da massa do universo e dizem que não estaríamos aqui sem ele, mas desconhecem o que é.

A corrida para resolver este enorme mistério trouxe uma equipa às profundezas de Lead, na Dakota do Sul.

A pergunta para os cientistas é básica, diz Kevin Lesko, físico do Lawrence Berkeley National Laboratory: "O que é esse maravilhoso lugar em que vivo? No momento, 95% disso é um mistério."

A ideia é que uma milha de terra e rocha, um tanque gigante, um segundo tanque e o titânio mais puro do mundo bloqueiem quase todos os raios cósmicos e partículas que circulam -- e atravessam -- todos nós todos os dias.

Contudo, as partículas de matéria escura, consideram os cientistas, podem evitar todos esses obstáculos.

Os cientistas esperam que alguma voe para dentro do tanque de xenón líquido no tanque interno e colida com um núcleo de xenón como duas bolas num jogo de bilhar, revelando a sua existência num flash de luz visto por um dispositivo chamado "câmara de projeção do tempo".

Os cientistas anunciaram esta quinta-feira que a investigação de cinco anos e 60 milhões de dólares finalmente começou há dois meses, após um atraso provocado pela pandemia da Covid-19, mas até agora o aparelho não detetou nada, ou pelo menos nenhuma matéria escura.

O equipamento parece estar a trabalhar para filtrar a maior parte da radiação de fundo que esperavam bloquear.

"Para procurar esse tipo muito raro de interação, o trabalho número um é primeiro livrar-se de todas as fontes comuns de radiação, o que sobrecarregaria a experiência", disse Carter Hall, físico da Universidade de Maryland.

Se todos os cálculos e teorias estiverem certos, a equipa de 250 cientistas acredita que irão ver apenas alguns sinais fugazes de matéria escura por ano, estimando que irá obter 20 vezes mais dados nos próximos dois anos.

Quando a experiência acabar, a hipótese de encontrar matéria escura com este dispositivo é "provavelmente inferior a 50%, mas superior a 10%", disse esta quinta-feira Hugh Lippincott, físico e porta-voz da experiência, em conferência de imprensa.

Embora longe de ser uma certeza, "é preciso um pouco de entusiasmo", disse Lesko, de Lawrence Berkeley. "Não se entra na investigação rara de física sem alguma esperança de encontrar alguma coisa".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de