Banco Mundial prevê desaceleração nas economias da região Ásia-Pacífico

O Banco Mundial estima que o crescimento da região, em 2022, vai atingir 5%, um valor que também inclui a China.

O Banco Mundial cortou esta terça-feira a sua previsão de crescimento económico para a região da Ásia-Pacífico, incluindo a China - motor de crescimento da região -, face à invasão da Ucrânia e outras adversidades.

No relatório "Atualização Económica da Ásia-Pacífico na Primavera de 2022", o banco internacional, com sede em Washington, estimou que o crescimento da região, em 2022, vai atingir 5%, abaixo da previsão de 5,4% divulgada em outubro passado.

No pior cenário, o Banco Mundial prevê que o crescimento desacelere para 4%.

A economia da China deve crescer 5% este ano, abaixo da estimativa anterior de 5,4%, disse o Banco Mundial.

A atualização reflete o impacto na região da invasão da Ucrânia pela Rússia, especialmente para países que importam produtos energéticos.

O aumento dos preços do petróleo e do gás e outras matérias-primas pesam no poder de compra das famílias e sobrecarregam as empresas e governos, que enfrentam já níveis de endividamento excecionalmente altos, devido à pandemia, segundo o relatório.

A revisão também levou em consideração o aumento das taxas de juros nos Estados Unidos e a desaceleração do crescimento na China.

A economia já em desaceleração do país asiático pode vacilar, à medida que novos surtos de Covid-19 levaram a medidas de confinamento, como as que estão em vigor em Xangai, a 'capital' financeira do país.

"Esses choques provavelmente ampliarão as dificuldades existentes pós-Covid-19", disse o relatório. Os oito milhões de famílias cujos membros voltaram à pobreza durante a pandemia "vão ver os seus rendimentos reais encolher ainda mais à medida que os preços sobem".

Choques contínuos nas cadeias de fornecimento continuam a prejudicar os fabricantes e a causar inflação, disse o Banco Mundial.

"Numa altura em que as economias da região Ásia-Pacífico estavam a recuperar do choque induzido pela pandemia, a guerra na Ucrânia está a pesar no impulso do crescimento", disse Manuela Ferro, vice-presidente do Banco Mundial para o Leste da Ásia e Pacífico.

"Os fundamentos sólidos e as políticas sólidas da região devem ajudar a enfrentar essas tempestades", ressalvou a portuguesa.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de