China oferece ajuda humanitária à Ucrânia e está disponível para mediar conflito

Pequim tem mantido uma posição ambígua em relação à invasão russa da Ucrânia, procurando manter a amizade com a Rússia.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, disse, esta segunda-feira, que Pequim está disponível para mediar o conflito na Ucrânia e que até já fez "algum trabalho" para promover conversações para a paz. A China adiantou ainda que vai fazer esforços para oferecer assistência humanitária, o que "não deve ser politizado".

"A paz e o diálogo devem ser promovidos e a China já fez alguns esforços nesse sentido", afirmou Wang Yi, numa conferência de imprensa paralela à sessão anual da Assembleia Nacional Popular, o órgão legislativo máximo da China.

"Houve duas rondas de negociações e esperamos que haja uma terceira. Quanto mais divergências há, maior a necessidade de se sentarem para negociar", disse.

Pequim tem mantido uma posição ambígua em relação à invasão russa da Ucrânia. Por um lado, defendeu que a soberania e a integridade territorial de todas as nações devem ser respeitadas - um princípio de longa data da política externa chinesa e que pressupõe uma postura contra qualquer invasão -, mas ao mesmo tempo opôs-se às sanções impostas contra a Rússia e apontou a expansão da NATO para o leste da Europa como a raiz do problema.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil.

Os ataques provocaram também a fuga de mais de 1,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de