China pede "contenção máxima" com a Rússia em conversa com Macron e Scholz

O Presidente chinês sublinhou a oposição às sanções internacionais, dizendo que as medidas tomadas contra Moscovo "causarão danos a todas as partes".

O Presidente chinês, Xi Jinping, pediu, esta terça-feira, "contenção máxima" no conflito na Ucrânia, durante uma conversa por telefone com os líderes de França e Alemanha, Emmanuel Macron e Olaf Scholz, respetivamente, informou a televisão chinesa.

A China, que mantém boas relações com Moscovo, recusou, até agora, falar de uma invasão da Ucrânia, lamentando apenas o conflito, ao mesmo tempo em que disse "compreender" as preocupações de segurança russas.

Segundo a cadeia televisiva estatal CCTV, Xi Jinping disse que a China estava "profundamente entristecida por testemunhar uma nova guerra no continente europeu".

"Desejamos pedir a maior contenção para evitar uma crise humanitária em grande escala", acrescentou, sem denunciar a ofensiva lançada, em 24 de fevereiro, pelo Presidente russo, Vladimir Putin, contra o país vizinho.

Xi Jinping disse "apreciar os esforços da França e da Alemanha para atuar como mediadores" e garantiu que Pequim também está pronta para desempenhar "um papel ativo". "Devemos juntos apoiar as negociações pela paz entre a Rússia e a Ucrânia", afirmou.

A China "está pronta para fornecer ajuda humanitária à Ucrânia", acrescentou.

O Presidente chinês repetiu a oposição do seu país às sanções internacionais, dizendo que as medidas tomadas contra Moscovo "causarão danos a todas as partes".

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil.

Os ataques provocaram também a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de