Erdogan enaltece aos EUA papel de mediador e pede retoma de relações na Defesa

Joe Biden disse que conversou com Erdogan sobre os "esforços internacionais contínuos para responsabilizar Moscovo pela sua agressão e apoiar o povo ucraniano".

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, enalteceu esta quinta-feira o papel do seu país na mediação do conflito russo-ucraniano, numa conversa com o homólogo norte-americano, Joe Biden, a quem apelou ao levantamento das "sanções injustas" sobre o setor da Defesa.

Erdogan transmitiu a Biden, durante uma conversa telefónica de 45 minutos, que é importante para Ancara poder conversar com os dois lados e ser um "facilitador" para encontrar uma saída para a guerra, divulgou a presidência turca.

Por seu lado, o Presidente dos Estados Unidos manifestou o seu "reconhecimento" à Turquia, pelos "esforços para apoiar uma resolução diplomática do conflito", referiu a Casa Branca.

"Discutimos a importância dos esforços internacionais contínuos para responsabilizar Moscovo pela sua agressão e apoiar o povo ucraniano enquanto enfrenta esta crise", acrescentou Joe Biden, na rede social Twitter.

No comunicado, a presidência turca divulgou ainda que Erdogan aproveitou o primeiro contacto com Biden, desde o início do conflito na Ucrânia, para exigir o levantamento das "sanções injustas" que penalizam a Defesa da Turquia, membro da NATO.

Ancara tem interesse, em particular, de adquirir 40 caças F-16, bem como peças de reposição necessárias para a manutenção e modernização dos F-16 que já possui.

A Turquia tinha encomendado e pagado 1,4 mil milhões de dólares (cerca de 1,2 milhões de euros) por caças F-35 que nunca foram entregues.

O contrato foi congelado pelos Estados Unidos em 2019, após a compra pela Turquia do sistema antimísseis russo S-400, encarado como uma ameaça aos F-35.

Washington excluiu então a Turquia daquele programa militar avançado.

Segundo a imprensa turca, Erdogan pretende encomendar 40 caças F16 e cerca de 80 pacotes de modernização para os modelos antigos, sendo que o Exército turco possui mais de 200 exemplares.

Os dois chefes de estado discutiram também as possibilidade de "fortalecer os laços bilaterais" entre a Turquia e os Estados Unidos, revelou a Casa Branca.

A Turquia foi hoje palco das primeiras conversas diretas entre as diplomacias russas e ucranianas.

No entanto, os ministros dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, e da Ucrânia, Dmytro Kouleba, não chegaram ao entendimento para um cessar-fogo, mas prometeram continuar o diálogo após o encontro em Antália, no sul da Turquia.

Apesar de ser aliada da Ucrânia, fornecendo mesmo 'drones' de combate, a Turquia teve o cuidado de manter as suas relações com a Rússia, com quem tem dependência em setores como o turismo, abastecimento de trigo ou energia.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,1 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de