Espanha reforça segurança após detetar explosivos em cinco envelopes

Um homem ficou ferido depois de um dos envelopes ter explodido na embaixada da Ucrânia em Madrid.

Cinco envelopes com explosivos foram identificados em Espanha na última semana, enviados ao primeiro-ministro, à embaixada da Ucrânia, à ministra da Defesa, a um centro de satélites e a uma empresa de armamento, disse esta quinta-feira o Governo.

"Tanto as características dos envelopes como o conteúdo", material e substâncias normalmente usadas na pirotecnia, "são similares nos cinco casos", disse hoje o secretário de Estado da Segurança do governo espanhol, Rafael Pérez, numa conferência de imprensa em Madrid.

O envelope enviado ao primeiro-ministro, Pedro Sánchez, foi intercetado na semana passada, no dia 24 de novembro, e os restantes foram identificados na quarta-feira e hoje.

Um homem ficou ferido na quarta-feira sem gravidade na embaixada da Ucrânia em Madrid devido à explosão do artefacto que estava dentro do envelope.

Nos outros casos, o material explosivo foi desativado ou foi feita uma detonação controlada.

O secretário de Estado disse ser necessário esperar por análises e estudos "de diferentes naturezas", feitos por peritos policiais, e pelas investigações judiciais para serem conhecidos e revelados mais detalhes.

Rafael Pérez explicou também que só hoje foi revelada a existência do envelope com explosivos enviado na semana passada ao primeiro-ministro por as autoridades terem concluído que era similar ao que na quarta-feira chegou à embaixada da Ucrânia.

Também por esse motivo foi comunicada na quarta-feira a ocorrência às autoridades judiciais, que disseram investigar o caso da embaixada da Ucrânia como possível delito de terrorismo.

O secretário de Estado disse que todos os envelopes foram enviados por correio normal desde o território espanhol, mas não quis dar mais informações por as averiguações estarem numa fase inicial, por ser necessário "prudência" e pelo "respeito" à investigação judicial e policial em curso.

Rafael Pérez insistiu também numa "mensagem de tranquilidade" à população e garantiu a preparação e profissionalismo das forças de segurança espanholas para lidar com casos destes.

Além disso, reiterou que foram reforçadas as medidas de segurança e proteção de todos os edifícios públicos e representações diplomáticas em Espanha e afirmou não haver, para já, motivos "para convocar o grupo de avaliação do nível de alerta antiterrorista".

O secretário de Estado não quis também revelar se as autoridades espanholas têm conhecimento de casos semelhantes em outros países europeus "que tenham ajudado a Ucrânia".

A empresa Instalaza, na cidade de Saragoça, região de Aragão (nordeste de Espanha), destinatária de um dos envelopes com explosivos, produz equipamento militar que foi enviado por Espanha para a Ucrânia, para apoiar as forças armadas ucranianas, logo após o início do ataque russo, em 24 de fevereiro.

A Ucrânia está a ser atacada militarmente pela Rússia desde fevereiro, numa agressão condenada pela generalidade comunidade internacional.

A Rússia condenou hoje "qualquer ameaça ou ato terrorista" na sequência do envio destas cartas com explosivos em Espanha.

"Condenamos qualquer ameaça ou ato terrorista", escreveu a embaixada da Federação Russa num comunicado publicado hoje nas redes sociais.

A embaixada da Rússia em Madrid disse divulgar este comunicado "perante a informação divulgada nos meios de comunicação espanhóis sobre pacotes explosivos enviados à Embaixada da Ucrânia em Espanha e entidades oficiais espanholas".

"Qualquer ameaça ou ato terrorista, sobretudo dirigidos contra uma missão diplomática, são totalmente condenáveis", acrescenta o texto.

Já o embaixador ucraniano em Espanha, Serhii Pohoreltsev, afirmou hoje que a embaixada está a melhorar os seus sistemas de segurança e defendeu que a Rússia deve ser declarada "Estado terrorista".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de