Fornecimento de eletricidade na central nuclear de Chernobyl parcialmente restabelecido

A central nuclear esteve sem eletricidade depois de um corte total na quarta-feira.

A empresa estatal de energia ucraniana Ukrenergo informou a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) que o fornecimento de eletricidade à central nuclear de Chernobyl foi parcialmente restabelecido após o corte total a 09 de março.

De acordo com a AIEA, os trabalhos iniciados na noite de 10 de março por Ukrenergo conseguiram reparar uma secção da central.

"Os geradores de emergência a diesel têm vindo a fornecer energia de reserva ao local desde 09 de março, e o regulador ucraniano informou que foi fornecido combustível adicional às instalações. No entanto, continua a ser importante reparar as linhas elétricas o mais rapidamente possível", explicou a agência.

Os problemas de gestão na central nuclear de Chernobyl foram agravados pela perda de comunicação com Ukrenergo, o que significa que não podem ser fornecidas à AIEA informações sobre a monitorização.

A companhia estatal de energia ucraniana assegurou à AIEA que os trabalhos de reparação continuarão "apesar da situação difícil" fora da central nuclear. No entanto, o pessoal da central nuclear de Chernobyl, composto por 211 técnicos e guardas, vive no local há mais de duas semanas.

A esta preocupação acresce a disponibilidade de alimentos para as pessoas na fábrica, uma vez que os 'stocks' estão a esgotar-se, indicou a empresa de energia ucraniana.

As autoridades ucranianas disseram a 09 de março que as linhas elétricas da central nuclear tinham sido danificadas pelo bombardeamento russo, pelo que o fornecimento de energia para arrefecimento das barras do reator teve de ser temporariamente cortado.

Mesmo assim, a AIEA assegurou que isto não representa um risco de segurança, uma vez que os geradores de emergência estão a fornecer eletricidade no local.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 549 mortos e mais de 950 feridos entre a população civil e provocou a fuga de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de