Grécia promete abrigo ainda hoje para migrantes desalojados pelo fogo

O ministro grego das Migrações disse que estas pessoas irão dormir ou num dos três navios que estão a ser preparados para os receber ou em tendas trazidas de outras ilhas.

O ministro grego das Migrações, Notis Mitarakis, prometeu que ainda esta quinta-feira serão tomadas "as ações necessárias" para que os grupos vulneráveis que ficaram desabrigados após o incêndio no campo de migrantes de Moria, em Lesbos, tenham onde dormir.

"Durante o dia, serão realizadas todas as ações necessárias para o alojamento imediato dos vulneráveis e suas famílias, em espaços especialmente concebidos", afirmou o ministério num comunicado.

Em declarações à rádio privada Skai, Notis Mitarakis disse que estas pessoas irão dormir ou num dos três navios que estão a ser preparados para os receber ou em tendas trazidas de outras ilhas.

Um porta-voz da marinha grega, no entanto, disse à agência de notícias EFE que no momento os dois navios militares designados para tal tarefa ainda estão no porto de Rafina, no continente, esperando ordem de zarpar para Lesbos.

A terceira embarcação, um 'ferry' comercial, já está ancorado em Sigri, no noroeste de Lesbos, esperando que os refugiados sejam transferidos do campo de migrantes de Moria para aquela localidade.

A experiência mostra que, após os navios aportarem, o processo de embarque é longo.

Após o incêndio na noite de terça-feira no campo de migrantes de Moria, novas frentes de fogo foram desencadeadas na tarde de quarta-feira, destruindo quase tudo o que restou no local.

Milhares de refugiados ficaram expostos na madrugada desta quinta-feira às condições atmosféricas adversas que se fez sentir na Grécia, à espera de transferência das instalações destruídas pelo incêndio.

Muitas pessoas foram colocadas provisoriamente em tendas precárias depois de o fogo ter destruído os locais onde viviam e aguardam novas instalações, na ilha de Lesbos.

Muitas famílias pernoitaram nas estradas que rodeiam o campo, com mais de 13 mil pessoas.

De acordo com a imprensa local, as forças policiais delimitaram com cordas o perímetro exterior do campo para evitar que os refugiados se deslocassem para a cidade de Mitilene, tendo utilizado granadas de gás lacrimogéneo para travar as tentativas de fuga.

De acordo com informações do Governo de Atenas, o grande incêndio destruiu 80% do recinto interno do campo de Moria, tendo 3500 pessoas ficado desalojadas, sendo que as restantes já viviam em tendas num olival.

O centro de acolhimento encontrava-se sob quarentena depois de terem sido detetados 35 casos de contaminação de Covid-19.

O incêndio começou depois de os contágios terem sido anunciados pelas autoridades. O Governo acredita que o fogo foi provocado.

Segundo o ministro das Migrações, Notis Mitarakis, até ao momento as autoridades apenas localizaram oito das 35 pessoas contaminadas com SARS-CoV-2, estando as restantes misturadas junto dos grupos que tentaram fugir do campo durante o incêndio.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de