Há 47 mil palestinianos a procurar refúgio em escolas da ONU

A ONU e a OMS alertaram para os problemas de sobrelotação nessas escolas, assim como para as dificuldades de abastecimento de energia na Faixa de Gaza, onde apenas há seis a oito horas de eletricidade por dia.

A ONU diz que perto de 47 mil palestinianos procuraram abrigo em escolas devido aos ataques israelitas, e saúda a abertura do posto de passagem de Querem Shalom, para permitir a entrada de ajuda humanitária.

O porta-voz do gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Jens Laerke, disse esta terça-feira que o conflito israelo-palestiniano já provocou quase 60 mil deslocados, dos quais perto de 47 mil se recolheram em 58 escolas da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (UNRWA) em Gaza.

Durante um 'briefing' em Genebra, Laerke e a porta-voz da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Harris, alertaram para os problemas de sobrelotação nessas escolas, assim como para as dificuldades de abastecimento de energia na Faixa de Gaza, onde apenas há seis a oito horas de eletricidade por dia.

Estas questões estão a dificultar a ajuda humanitária na região afetada pelo conflito que já dura há mais de uma semana e matou mais de 200 palestinianos, nos ataques aéreos das forças israelitas.

Por isso, a ONU saudou a abertura do posto de passagem de Kerem Shalom, que permitirá a entrada de ajuda humanitária em Gaza. "Saudamos a abertura, pelas autoridades israelitas, da passagem de Kerem Shalom, para ajuda humanitária essencial após nove dias de crise", disse Laerke.

"É essencial que a passagem de Erez também fique aberta à entrada e saída de pessoal humanitário", acrescentou o porta-voz da agência das Nações Unidas, acrescentando que "o acesso humanitário de e para Gaza (...) deve ser sustentável".

Os confrontos entre as milícias palestinianas de Gaza e Israel prolongam-se há nove dias, sem que se verifiquem progressos no sentido de uma trégua.

A guerra já provocou a morte a 212 pessoas na Faixa de Gaza e dez mortos em território israelita.

A tensão escalou no passado dia 10 de maio, com o lançamento de 'rockets' das milícias palestinianas contra território de Israel que responde com ataques aéreos de grande intensidade.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de