Kiev pede ao G7 mais armas e mais sanções contra Moscovo

Chefe da diplomacia ucraniana pede a "derrota do imperialismo doente russo" na sequência de um novo ataque à capital durante a madrugada.

O Governo ucraniano apelou este domingo aos países do G7 reunidos na Baviera, Alemanha, para enviarem mais armas e aplicarem mais sanções contra a Rússia, depois de novos ataques russos ao amanhecer num distrito perto do centro de Kiev.

"A cimeira do G7 deve responder com mais sanções contra a Rússia e mais armas pesadas para a Ucrânia", insistiu o chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kouleba, no Twitter, pedindo a "derrota do imperialismo doente russo" na sequência de um ataque que deixou pelo menos quatro pessoas feridas.

"Uma criança ucraniana de 7 anos dormia pacificamente em Kiev até que um míssil de cruzeiro russo explodiu o seu edifício", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano.

Uma equipa da AFP viu os três andares superiores de um edifício em chamas, com a escadaria completamente destruída.

O presidente da Câmara da capital ucraniana, Vitaly Klitschko, denunciou esta forma de "intimidar os ucranianos [...] no período que antecede a cimeira da NATO", prevista para começar na terça-feira em Madrid.

"É extremamente importante que, durante as cimeiras desta semana, o G7 e a NATO demonstrem que o seu compromisso em defender a Ucrânia nunca será mais fraco do que o desejo de [Vladimir] Putin de a assumir", insistiu Kouleba num artigo de opinião escrito em conjunto com a homóloga britânica, Liz Truss.

O ministro pediu de novo "um aumento e aceleração do fornecimento de armas pesadas, sanções mais duras contra todos aqueles que contribuem para a guerra de Putin e uma paragem total das importações de energia russa".

Os líderes do G7, grupo de grandes potências industrializadas (França, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália, Canadá e Japão), estão reunidos no sul da Alemanha a partir de hoje para uma cimeira de três dias, à qual se seguirá uma reunião dos países da NATO (Organização do Tratado Atlântico Norte) em Madrid.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai apelar hoje aos membros do G7 para que mantenham o apoio económico, militar e moral à Ucrânia "pelo tempo que for necessário", anunciou Downing Street em comunicado.

A cimeira vai também ficar marcada por novas sanções à Rússia em resposta à invasão da Ucrânia, nomeadamente a proibição de importações de ouro russo.

O anúncio foi feito através do comunicado do Governo britânico e de uma mensagem do Presidente dos EUA, Joe Biden.

"Em conjunto com o G7 anunciaremos que proibimos a importação de ouro russo, uma importação de relevo que gera dezenas de milhares de dólares à Rússia", disse Biden no Twitter.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de