Nord Stream 2 já não está a deixar escapar gás

Danos na infraestrutura foram provocadas por explosões de alta potência, com Washington e Moscovo a acusar-se mutuamente da sua autoria.

As fugas no gasoduto Nord Stream 2, que liga a Rússia à Alemanha, no Mar Báltico, deixaram de estar ativas, informou a agência de energia dinamarquesa.

"A pressão da água fechou mais ou menos o gasoduto, pelo que o gás no seu interior não pode sair", disse Ulrich Lissek, porta-voz da agência, confirmando que ainda há gás nos tubos. No Twitter, a agência dinamarquesa de Energia escreve que foi atingida uma "pressão estável" no gasoduto, o que levou ao fim da fuga.

Explosões submarinas de alta potência danificaram os gasodutos Nord Stream 1 e 2, esta semana, provocando fuga de metano.

Na sexta-feira, Washington e Moscovo acusaram-se mutuamente pela tentativa de sabotar os gasodutos construídos pela Rússia.

Os confrontos entre os dois países prolongaram-se durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, em Nova Iorque, na sexta-feira, que fora convocada pela Rússia para discutir os problemas nos gasodutos.

Suécia e Dinamarca divulgaram um relatório provando que as fugas tinham sido provocadas por fortes explosões submarinas, no Mar Báltico.

O Presidente russo, Vladimir Putin, apontou o dedo ao Ocidente, denunciando a tentativa de "destruir a infraestrutura energética" que alimenta a Europa central.

Em Washington, a Casa Branca rejeitou as alegações de Putin sobre o oleoduto, lançando suspeitas sobre as intenções russas de "disseminar desinformação e mentiras".

"Não vamos deixar que a desinformação da Rússia nos distraia da sua tentativa claramente fraudulenta de anexar território ucraniano", disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Adrienne Watson, na sexta-feira.

Há vários anos que os Estados Unidos avisam a Alemanha dos riscos de ficar dependente da energia russa.

Os ataques aos oleodutos levaram as empresas de energia e os governos europeus a reforçar a segurança em torno desta infraestrutura energética.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de