Retirada de cidadãos de Mariupol adiada por violações do cessar-fogo

A autarquia de Mariupol justifica o adiamento com "razões de segurança", já que as forças russas "continuam a bombardear Mariupol e os seus arredores".

A retirada dos habitantes de Mariupol, porto estratégico ucraniano cercado por forças russas que conseguiu um cessar-fogo para a abertura de corredores humanitários, foi adiada devido a várias violações russas da trégua, acusou este sábado a câmara local.

A retirada de civis, que deveria começar no final da manhã, "foi adiada por razões de segurança", já que as forças russas "continuam a bombardear Mariupol e os seus arredores", explicou o município, numa mensagem divulgada na rede Telegram.

A Rússia tinha anunciado um cessar-fogo temporário a partir das 10h00 de hoje em Moscovo (07h00 em Lisboa) para a abertura de corredores humanitários que permitissem a retirada de civis nas cidades ucranianas de Mariupol e Volnovaja.

Antes, o autarca de Mariupol tinha afirmado que este porto estratégico se encontrava "sob bloqueio" e era alvo de "ataques impiedosos" do exército russo.

"A nossa prioridade é conseguir um cessar-fogo para que possamos restabelecer as infraestruturas vitais e criar um corredor humanitário para fazer chegar alimentos e medicamentos à cidade", escreveu o presidente da câmara municipal da cidade, Vadim Boitchenko, na rede Telegram.

O controlo de Mariupol é estratégico para a Rússia, uma vez que permite uma continuidade territorial entre as forças vindas da Crimeia e as que chegam dos territórios separatistas pró-russos da região de Donbass.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar à Ucrânia e as autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças. Segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de 1,2 milhões de refugiados.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de