Rússia admite "progressos" nas negociações com a Ucrânia

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia garantiu também que as forças russas não querem derrubar o governo ucraniano.

A Rússia admitiu, esta quarta-feira, "progressos" nas negociações com a Ucrânia. Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, adiantou que as negociações com Kiev para resolver o conflito na Ucrânia estão a ter avanços e garantiu que as tropas de Moscovo não estão a tentar derrubar o governo ucraniano.

"Foram feitos alguns progressos", afirmou a porta-voz russa, durante uma conferência de imprensa, em declarações citadas pela agência de notícias AFP.

"[O objetivo das forças russas] não é ocupar a Ucrânia, destruir o seu Estado ou derrubar o Governo. E não é direcionado contra a população civil", defendeu Zakharova.

Maria Zakharova disse também que "a informação sobre corredores humanitários não está, deliberadamente, a ser comunicada à população na Ucrânia" e que as pessoas que querem ir para a Rússia estão a ser forçadas a seguir na direção oposta.

A porta-voz russa acusou ainda os países da NATO de financiarem a luta dos nacionalistas ucranianos e criticou a ação das embaixadas ucranianas que recrutam combatentes noutros países.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 406 mortos e mais de 800 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de