Rússia anuncia que dia de operações foi um "sucesso"

Forças russas assumem que os movimentos se tratam de uma invasão da Ucrânia.

O Ministério da Defesa russo confirmou esta quinta-feira que as suas forças terrestres se movimentaram da Crimeia para a Ucrânia, no que foi a primeira confirmação de Moscovo de que tropas da Rússia concretizaram a invasão do país vizinho.

Até agora, a Rússia apenas tinha admitido alguns ataques aéreos e com mísseis contra bases ucranianas, tendo anunciado a destruição de 83 instalações militares no país vizinho.

Pela primeira vez desde o início da invasão, o porta-voz do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov, confirmou que as tropas russas entraram na Ucrânia, informando que avançaram em direção à cidade de Kherson, a noroeste da Crimeia.

Kherson está situada no reservatório que fornece a maior parte da água doce para a Crimeia até que a Ucrânia o substituiu por uma barragem, em 2017, em resposta à anexação da península ucraniana da Crimeia por Moscovo, em 2014.

O porta-voz disse que as Forças Armadas russas cumpriram "com sucesso" todos os objetivos estabelecidos para o primeiro dia de invasão.

"Todas as tarefas atribuídas aos grupos militares das Forças Armadas da Federação Russa para este dia foram cumpridas com sucesso",, disse Konashenkov.

A Ucrânia reconheceu que 13 civis e nove soldados foram mortos hoje na região de Kherson, que está parcialmente controlada por forças militares russas.

As autoridades de Odessa registaram a morte de pelo menos 22 pessoas, como resultado de um ataque aéreo russo contra uma sua unidade militar na região.

Horas antes, a Presidência ucraniana tinha noticiado a morte de mais de 40 soldados, durante os ataques contra aeródromos e bases militares no seu território.

De acordo com Alexei Arestovich, assessor presidencial, a maioria das vítimas morreu durante o bombardeamento aéreo desta manhã, mas os ataques não terão conseguido minar o potencial defensivo das Forças Armadas.

A Rússia lançou hoje de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de