Rússia recruta militares fora de serviço desde 2012, diz Ministério da Defesa britânico

Segundo informação divulgada pela Defesa britânica, as forças armadas russas estão a recrutar soldados na região moldava de Transnístria, separada do resto do país pelo rio Dniester e autoproclamada independente.

O Kremlin está a recrutar pessoal militar fora de serviço desde 2012, para aumentar os efetivos, face ao elevado número de baixas que as tropas russas sofreram na Ucrânia, indicou este domingo o Ministério da Defesa do Reino Unido.

As forças armadas russas estão, ainda assim, a recrutar soldados na região moldava de Transnístria, separada do resto do país pelo rio Dniester e autoproclamada independente, acrescenta a informação dos serviços secretos divulgada pela Defesa na sua conta oficial de Twitter.

Os países ocidentais estimam que entre 7.000 a 15.000 militares russos tenham morrido desde que começou a invasão ordenada pelo Kremlin, a 24 de fevereiro.

O ministério britânico sublinhou que a retirada das forças russas do norte da Ucrânia pôs em evidência o "desproporcionado" número de "não combatentes" mortos e frisou a existência de valas comuns e o uso de reféns como escudos humanos.

Alertou ainda que as tropas de Moscovo usam artefactos explosivos improvisados para aumentar o número de vítimas, "baixar a moral" dos ucranianos e restringir a sua liberdade de movimentos.

Os ataques contra infraestruturas representam também um elevado risco de danos colaterais para os civis, destacou o Reino Unido, que constatou uma ação que destruiu um tanque de ácido nítrico na cidade de Rubizhne, na região oriental de Lugansk.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,4 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de