"Se África não chegar a 70% de vacinação, Covid-19 será endémica"

O diretor do Africa CDC alerta que, em África, estão vacinadas apenas 10% das pessoas. Se os 70% não forem alcançados, a Covid-19 será uma "doença endémica, como a malária, a tuberculose ou o VIH".

O diretor do Africa CDC alertou esta quinta-feira que se o continente africano não chegar a 70% da vacinação até final do ano, a Covid-19 poderá tornar-se endémica, como a tuberculose ou o VIH.

"Tenho receio que possamos estar a caminhar para a Covid-19 se tornar uma doença endémica, por causa da lentidão das vacinas; se o continente não aumentar a taxa de vacinação para mais de 70% no final do ano, receio que entremos num cenário em que a Covid-19 será endémica, espero que não cheguemos lá, mas estamos a ir nessa direção", disse John Nkengasong durante a habitual conferência de imprensa para apresentação da situação epidemiológica em África.

"Temos, em África, cerca de 10% das pessoas vacinadas, e o objetivo da Organização Mundial da Saúde é chegar ao final do ano com uma taxa de 70% de imunização, o que temos de fazer, mesmo com a taxa baixa que temos hoje, senão a consequência será viver com a Covid-19 como doença endémica, como acontece hoje com a malária, a tuberculose ou o VIH", alertou o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (Africa CDC).

Na conferência de imprensa, Nkengasong admitiu que haverá outras variantes depois da Ómicron, o que é natural dado que o vírus continua a circular: "As variantes emergem se o vírus continuar a circular, portanto sim, absolutamente, haverá outras variantes, e o que temos de fazer é garantir a implementação de medidas de saúde pública, como usar máscara, lavar as mãos e praticar o distanciamento, e depois vacinar com rapidez e em escala".

O ano de 2022, continuou, será marcado por três grandes objetivos, que são a expansão dos testes, a propagação da vacinação e o aumento do acesso ao tratamento que está a ser testado pelas companhias farmacêuticas, elencou Nkengasong, apontando que a prioridade é o aumento das vacinas, agora que as doses estão a chegar de forma consistente ao continente, permitindo que 326 milhões das 547 milhões de doses recebidas já tenham sido administradas.

"Nós podemos estar cansados, mas não podemos baixar a guarda, a Ómicron está a aumentar, muito jovens foram infetados, e o meu conselho é que não desistam de cumprir as medidas nem sejam complacentes, porque o vírus não se vai cansar, por muito que nós estejamos cansados", concluiu.

A Covid-19 provocou 5.456.207 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em diversos países.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de