"Emissão maciça de energia." Suécia deteta explosões submarinas antes de fugas em gasodutos russos

A Ucrânia acusa a Rússia de responsabilidade pelas fugas nos gasodutos e denuncia um "ataque terrorista" contra a União Europeia.

A Suécia detetou duas explosões submarinas, "muito provavelmente devido a detonações", perto dos locais onde foram detetadas fugas nos gasodutos que transportam gás russo para a Europa, anunciou esta terça-feira um instituto sísmico sueco.

Uma primeira "emissão maciça de energia" de uma magnitude de 1,9 foi registada na noite de domingo às 02h03 locais (01h03 em Lisboa), no sudeste da ilha dinamarquesa de Bornholm, disse Peter Schmidt, da Rede Nacional Sísmica Sueca, à agência francesa AFP.

O instituto sueco registou uma segunda ocorrência de magnitude 2,3 às 19h04 locais de segunda-feira (18h04 em Lisboa), no nordeste da ilha.

"Interpretamo-lo como vindo com a maior probabilidade de alguma forma de detonação", afirmou Schmidt.

As autoridades dinamarquesas e suecas detetaram fugas no gasoduto Nord Stream 1, que a Rússia encerrou no início de setembro, e no gasoduto Nord Stream 2, que nunca foi posto em funcionamento devido à falta de autorização da Alemanha, na sequência da invasão russa da Ucrânia.

Apesar de não estarem operacionais, os dois gasodutos operados por um consórcio do gigante russo Gazprom estavam cheios de gás.

A Ucrânia acusou esta terça-feira a Rússia de responsabilidade pelas fugas nos gasodutos, denunciando um "ataque terrorista" contra a União Europeia.

"A fuga de gás em grande escala do Nord Stream 1 não é mais do que um ataque terrorista planeado pela Rússia e um ato de agressão contra a União Europeia", disse o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podoliak no Twitter, citado pela AFP.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de