Tropas russas retiraram-se da cidade ucraniana de Sumy

Vladislav Atroshenko, autarca da cidade de Chernigov, que fica a trezentos quilómetros de Sumy, disse que 70% da cidade está destruída.

O Exército russo iniciou no domingo uma retirada da região de Sumy, no nordeste da Ucrânia, anunciou esta segunda-feira o chefe da administração militar ucraniana de Sumy, Dimitro Zhivitski.

Uma grande marcha de tropas russas na região começou na zona entre Bilopillya a Konotop, incluindo nas comunidades de Putivl, Buryn, Novo-Slobidskaya e Popivska, avançou a emissora pública ucraniana Suspilne.

Nos últimos dias, novas colunas de soldados russos tinham avançado na região de Sumy, "entrincheirando-se, aterrorizando comunidades e atirando contra civis", disse Zhivitski na plataforma Telegram.

"Vimos um grande número de batalhões a voltar para a Rússia, com a nossa artilharia a persegui-los. As Forças Armadas ucranianas e a defesa territorial empurraram-nos por toda a região de Chernigov", perto da fronteira com a Bielorrússia, disse o líder militar.

Ele disse que, apesar da maioria do exército russo ter deixado a área há alguns dias, permaneceram ainda pequenos grupos de russos.

"O território está a ser limpo, temos que ter muito cuidado, porque os soldados russos estão com medo. Pode haver dezenas ou centenas deles", disse o chefe da administração militar de Sumy.

O autarca de Chernigov, Vladislav Atroshenko, disse no domingo que 70% da cidade está destruída.

"É devastador para mim pessoalmente e para Chernigov. (...) as consequências são graves, como foram em Busha e Kharkiv, e possivelmente em Mariupol", disse Atroshenko, citado pelo jornal ucraniano Ukrayinska Pravda.

O autarca disse que está concentrado em garantir que a população local tem acesso a aquecimento, em avaliar as perdas e em retomar a economia local, paralisada pelos ataques russos.

De acordo com o Estado Maior das Forças Armadas da Ucrânia, até domingo a Rússia perdeu cerca de 18.000 soldados, 644 tanques, 143 aviões, 134 helicópteros e muitas outras armas e equipamentos.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.417 civis, incluindo 121 crianças, e feriu 2.038, entre os quais 171 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de