Zelensky voltou a falar com Biden sobre "apoio financeiro" e "sanções contra Rússia"

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia.

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, revelou este sábado que voltou a conversar ao telefone com o Presidente norte-americano, Joe Bide, para discutir o apoio financeiro à Ucrânia e as sanções contra a Rússia.

"No quatro de um diálogo permanente tive uma novo conversa com Joe Biden. A agenda incluiu o apoio financeiro à Ucrânia e a procura de sanções contra a Rússia", escreveu Zelensky no Twitter.

A Casa Branca confirmou que os dois líderes tiveram hoje uma conversa telefónica durante mais de 30 minutos, sem adiantar pormenores.

Zelenksy acrescentou ter também falado novamente com o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, que se encontrou-se, no sábado, em Moscovo, com o Presidente russo, Vladimir Putin, para discutir a situação na Ucrânia.

"Bennett ligou-me após a reunião com Vladimir Putin. Continuamos o diálogo", escreveu no Twitter o Presidente ucraniano, que é também judeu.

Bennett é um dos líderes mundiais que ainda não condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia, sublinhando as boas relações que Israel mantém com os dois países em guerra.

O Estado judaico entregou ajuda humanitária à Ucrânia, mas mantém laços com a Rússia, de forma a garantir que a aviação israelita e russa não entram em conflito na vizinha Síria, referiu a agência de notícias Associated Press (AP).

A Ucrânia pediu mesmo que Bennett desempenhe funções de mediador no conflito, indicou, por sua vez, a agência de notícias France-Presse (AFP).

Em Jerusalém, o gabinete de Bennett adiantou que o encontro com Putin terminou ao fim de duas horas e meia de discussão, mas o porta-voz do primeiro-ministro israelita disse depois que a reunião prosseguia, enquanto o Kremlin confirmou que o encontro em Moscovo serviu para discutir a situação na Ucrânia.

Bennett é o primeiro dirigente estrangeiro a visitar a Rússia desde o início da invasão russa da Ucrânia. Também o primeiro-ministro paquistanês esteve em Moscovo no dia seguinte ao início da guerra, mas numa visita há muio prevista.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades.

As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já fizeram mais de 1,2 milhões de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia, entre outros países.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar e "desnazificar" o país vizinho, afirmando ser a única forma de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo que for necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu enviando armamento para a Ucrânia e reforçando sanções económicas e financeiras para isolar ainda mais Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de