Inflação "conjuntural"? Marcelo aponta previsão de "semanas ou poucos meses" dos especialistas

O Presidente da República afirma que os especialistas dizem que a atual inflação é "conjuntural", mas considera que é preciso esperar para ver se isso se confirma.

O Presidente da República referiu esta sexta-feira que os especialistas dizem que a atual inflação é conjuntural e preveem que dure "semanas ou poucos meses", mas considerou que é preciso esperar para ver se isso se confirma.

No fim de uma visita à sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Oeiras, distrito de Lisboa, questionado pelos jornalistas se concorda com o entendimento do primeiro-ministro, António Costa, de que a inflação é conjuntural e não estrutural, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Bom, a posição das organizações internacionais é dizer que é conjuntural".

"Isto é, que dura um tempo, que corresponde à duração da guerra, por um lado, da pandemia, por outro - o que significa a esperança de não haver vagas de pandemia indefinidas e graves e de a guerra terminar rapidamente. Acontecerá, não acontecerá? Os especialistas dizem que sim, que é uma questão de semanas ou poucos meses. Vamos ver", acrescentou.

"A esperança é que seja conjuntural e curto. A realidade, vamos esperar para ver", reforçou o chefe de Estado.

De acordo com o Presidente da República, a confirmar-se um cenário de inflação conjuntural, "os efeitos ainda vão continuar durante um tempo, certamente este ano, mas não para o ano que vem e consecutivamente".

"Se aquilo que não esperamos, a pandemia conhecer uma vaga ou a guerra se prolongar muito, aí é muito difícil fazer a previsão", assinalou, no entanto.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "por isso, o senhor primeiro-ministro disse que tem de ser feito um ajustamento caso a caso, quando lhe perguntaram em relação ao salário mínimo nacional como é vai ser e como é que vão ser as reações, as medidas do Governo".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de