Chega condena "veementemente" ofensiva russa e pede "duras sanções económicas"

Segundo o partido de André Ventura, "a posição assumida pela Rússia deve ser alvo, não só das mais severas condenações públicas e políticas, como também de duras sanções económicas".

O Chega condenou esta quinta-feira "veementemente" a ofensiva militar russa contra a Ucrânia, manifestando solidariedade com o povo ucraniano e considerando que o Kremlin deve ser alvo de "condenações públicas e políticas" e de "duras sanções económicas".

Em comunicado, a Direção Nacional do Chega indicou que o partido "condena veementemente a agressão levada a cabo, nas primeiras horas desta quinta-feira, pela Rússia à Ucrânia".

"A soberania de um país é um dos pilares fundamentais do ADN europeu e a invasão que está em curso é um atentado a este princípio. O Chega mostra-se solidário com o povo ucraniano que enfrenta, neste momento, um dos momentos mais difíceis da sua existência enquanto nação independente", lê-se na nota.

Segundo o partido, "a posição assumida pela Rússia deve ser alvo, não só das mais severas condenações públicas e políticas, como também de duras sanções económicas".

O Chega apela a que "todos os Estados-membros da União Europeia se mantenham firmes e unidos na condenação a este ato vil, que coloca em causa a estabilidade social, económica e política internacional".

"O Chega espera que Portugal e os restantes países da União Europeia saibam responder à crise humanitária que, infelizmente, poderá advir desta invasão", frisou.

O presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, anunciou hoje de madrugada o início de uma operação militar na Ucrânia, alegando que se destina a proteger civis de etnia russa nas regiões de Donetsk e Lugansk que reconheceu como repúblicas independentes na segunda-feira.

Em reação a essa decisão, o primeiro-ministro, António Costa, escreveu na sua conta na rede social Twitter: "Condeno veementemente a ação militar da Rússia à Ucrânia. Irei reunir com o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, o ministro da Defesa Nacional e o chefe de Estado Maior General das Forças Armadas. E solicitei ao senhor Presidente da República reunião urgente do Conselho Superior de Defesa Nacional".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convocou para as 12:00 uma reunião deste órgão de consulta. Antes, pelas 10:30, irá reunir-se com o ministro da Defesa Nacional e com o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

No Twitter, os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, advertiram hoje que o Kremlin será responsabilizado pelos seus atos.

Para hoje às 19h00 de Lisboa está marcada uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo da União Europeia.

ACOMPANHE AQUI A ESCALADA DE TENSÃO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de