Ministra diz terem sido cumpridos "todos os procedimentos" na contratação de jovem adjunto

Tiago Cunha, de 21 anos, foi contratado como adjunto do gabinete da ministra da Presidência e o caso tem gerado polémica.

A ministra da Presidência garante que foram seguidos "todos os procedimentos" na contratação de Tiago Cunha para o seu gabinete como adjunto. A escolha tem sido polémica, tanto pela curta experiência profissional como pela idade do escolhido: tem 21 anos e é recém-licenciado em Direito na Universidade do Porto.

Questionada sobre a escolha em conferência de imprensa pós-Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva fez notar que "existe uma legislação desde 2012 que diz tudo o que há a dizer sobre a constituição de gabinetes" e na qual estão inscritos "os critérios de seleção e o pagamento que é devido" para cada função, bem como a "forma de publicitar" os contratos e a sua calendarização.

"Todos estes procedimentos, neste como noutros casos, foram seguidos dizendo respeito a um trabalho que tem dimensões técnicas e tem dimensões políticas, que é o trabalho que um gabinete de um ministro também faz", assinalou.

Vieira da Silva não quis alongar-se sobre a questão, defendendo estar num briefing do Conselho de Ministros e não numa conferência de imprensa própria.

"Estas decisões são minhas e dizem-me respeito única e exclusivamente a mim e não ao Governo como um todo", concluiu sobre o assunto.

Tiago Cunha, de 21 anos, foi contratado para o gabinete da ministra com um vencimento de 3732 euros brutos, naquele que será o seu primeiro emprego.

A contratação foi publicada em Diário da República a 7 de novembro e nessa comunicação é possível saber que iniciou em 2022 a frequência do mestrado em Direito e Ciência Jurídica - especialidade em Direito Administrativo na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de