António Capucho acusa PSD/Cascais de "cobardia". Concelhia chumba regresso do ex-militante ao partido

Em declarações à TSF, António Capucho acusa a concelhia de Cascais de tomar posição sem fundamento e defende que não pode "ser sancionado sobre um período em que não era militante."

A Concelhia de Cascais do PSD deu parecer desfavorável, por unanimidade, à admissão de António Capucho naquela secção, o presidente deste órgão partidário, Manuel Basílio de Castro.

A posição da Comissão Política foi manifestada numa moção votada durante uma reunião que se realizou na última noite. A votação, entre os 18 elementos presentes, decorreu por voto secreto.

"Foi expulso de forma legítima"

Em declarações à TSF, o presidente da concelhia de Cascais do PSD justificou a decisão: "A realidade é que o dr. António Capucho foi expulso do partido, de forma legítima e legal, de acordo com os estatutos do partido. Isso é indiscutível, um facto consumado", declarou Manuel Basílio de Castro.

O dirigente social-democrata relembrou que António Capucho "fez parte da Convenção do PS, apelou ao voto no Partido Socialista nas últimas eleições".

Manuel Basílio de Castro referiu ainda que, com base na leitura dos estatutos partidários, "quem é expulso, não pode ser readmitido no partido".

"Rui Rio está solidário comigo"

Em declarações à TSF, António Capucho acusa o PSD de Cascais de "cobardia" e afirma que não há fundamento para a decisão tomada.

"Ignoro completamente qual é o fundamento [para a decisão]. Entre os fundamentos que o regulamento prevê, não vejo que nenhum seja aplicado ao meu caso", declarou António Capucho que garante que não era militante social-democrata quando apoiou o PS. "Não posso ser sancionado sobre um período em que não era militante", defende.

"Se o partido admite comunistas que chegaram a ser líderes parlamentares, esse argumento não colhe", atirou, acusando ainda a concelhia de Cascais de "ter a cobardia" de não o "convidar para assistir [à votação]".

António Capucho estranha também que a decisão da sua não-readmissão no PSD tenha sido tomada a nível local, quando o processo ainda se encontra nos órgãos nacionais do partido.

"Entreguei o processo na sede nacional (...) e tenho a garantia de que o processo ainda não chegou a Cascais", afirmou.

O antigo militante revela ainda que o presidente do PSD, Rui Rio - de quem se diz "apoiante e amigo" - entendeu que o seu pedido de entrada no partido era favorável neste momento.

"Rui Rio está tranquilo e solidário comigo", garantiu António Capucho, que refere que vai analisar a decisão da concelhia de Cascais junto do presidente do partido.

Notícia atualizada às 10h21 de 6 de setembro de 2019

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de