Votos nulos na Europa. PS fala em "falta de respeito", mas não avança para o Constitucional

Os socialistas explicam que "não vão contribuir para o prolongamento deste grave e inútil incidente provocado pelo PSD".

O PS fala em "falta de respeito pelos portugueses residentes no estrangeiro" depois de o PSD apresentar protestos para impedir a contabilização dos votos que não estavam acompanhados de uma cópia do cartão do cidadão. Mais de 80 por cento dos votos dos emigrantes no círculo da Europa foram considerados nulos, depois de a mesa eleitoral aceitar o protesto dos social-democratas.

Em comunicado, os socialistas explicam que "não vão contribuir para o prolongamento deste grave e inútil incidente provocado pelo PSD", deixando cair o recurso para o Tribunal Constitucional, como chegaram a ameaçar. O PS pede que o "processo eleitoral fique encerrado o mais rápido possível, para dar lugar à nova legislatura".

"É lamentável esta total falta de respeito pelos portugueses residentes no estrangeiro e que era totalmente evitável, porque, perante uma situação igual de protesto também apresentada pelo PSD para o círculo eleitoral de Fora da Europa, a respetiva mesa de apuramento geral rejeitou tal posição, optando por dar validade a todos os votos, tivessem ou não uma cópia do cartão do cidadão", lê-se no comunicado.

Os socialistas entendem que já existem "elementos de identificação dos eleitores suficientemente sólidos" e lembram que vários países "impedem que os cidadãos usem cópias de cartões de identificação pessoal", com muitos portugueses a recusar enviar os dados pessoais.

Para evitar que as futuras eleições fiquem marcadas por problemas idênticas, tal como já se tinha verificado em 2019, o PS compromete-se com a alteração da Lei Eleitoral, como "uma das prioridades para a próxima legislatura", para facilitar a votação dos portugueses residentes no estrangeiro. Uma alteração que já estava prevista "não fosse a Assembleia da República ter sido dissolvida na sequência da rejeição do Orçamento de Estado para 2022".

Já sobre os resultados eleitorais nos círculos da emigração, o partido sublinha "a vitória expressiva, onde obteve uma vantagem clara de 37,72% dos votos, contra 28,04 % do PSD, antes de contabilizada a anulação dos votos a pedido do PSD".

No círculo da Europa, o PS conquistou 14.345 (39,63%) dos 36.191 votos válidos e o PSD 9.761 (27,05%), e no círculo Fora da Europa, o PSD foi o partido mais votado, com 23.942 (37,09%) dos 64.534 votos válidos, enquanto o PS obteve 19.084 (29,57%), ou seja, os dois maiores partidos conquistaram um deputado em cada círculo.

Com os quatro deputados eleitos pela emigração, o PS fica com 119 deputados e o PSD com 78 deputados.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de