Os abusos sexuais nos jesuítas, a proposta do BE para o alojamento estudantil e outros destaques TSF

Dados revelados no âmbito do Serviço de Escuta, criado em novembro de 2021 para acolher, escutar e ajudar possíveis vítimas de abuso sexual nas obras da Companhia de Jesus e onde chegaram duas denúncias permitiram descobrir, "com um grau de probabilidade elevada", a ocorrência de casos de abuso sexual de menores.

São 40 anos de abusos sexuais sobre menores e chegam aos olhos do público depois de uma "recolha de informação interna" feita pela Companhia de Jesus. "Foi possível apurar, com um grau de probabilidade elevada, a ocorrência de casos de abuso sexual de menores cometidos por oito jesuítas, todos já falecidos" é a frase que marca o comunicado. Com ocorrências registadas "desde 1950" e o último caso conhecido a remontar "aos inícios dos anos 90", as vítimas tinham entre os 9 e os 16 anos e sofreram às mãos dos jesuítas tanto em sala de aula como em contactos individuais.

Não se sabe quantas terão sido as vítimas. A informação, conta o Serviço de Proteção e Cuidado dos Jesuítas na TSF, está em falta, assim como a identificação de algumas das vítimas e até de um dos suspeitos.

Com o início do ano letivo, voltou à discussão pública o desespero de muitos estudantes deslocados para arranjar um quarto longe de casa e a preços comportáveis. Para tentar resolver a questão, o Bloco de Esquerda propõe que o Governo avance com a requisição dos imóveis de Alojamento Local, em especial os detidos por "grandes proprietários", que, defende Catarina Martins, "podem, perfeitamente, durante algum tempo, ter parte dos seus alojamentos destinados a residência estudantil".

A ideia não caiu bem junto dos proprietários. A Associação do Alojamento Local critica-a na TSF como "quase surreal" e explica que este é um "problema estrutural" que não pode ser resolvido com a requisição de imóveis "das pessoas que estão a tentar recuperar de uma crise terrível".

No dia em que o ministro da Educação revelou que todas as semanas estão a chegar à tutela cerca de mil pedidos para substituir professores com baixas médicas, a Fenprof denuncia, na TSF, que das cerca de 7500 juntas médicas prometidas pelo ministro, em agosto, para verificar situações de professores em baixa médica que "suscitam dúvidas", ainda nenhuma está a funcionar.

O Estado registou um excedente de 2303 milhões de euros até agosto, em contabilidade pública, o que reflete uma melhoria de 9211 milhões de euros face ao período homólogo de 2021.

Nove anos depois da chamada "Lei Relvas", as uniões de freguesias, como quase tudo, agradam a uns mas são um erro para outros. Em Loulé, por exemplo, os fregueses não se dão mal, mas querem "a independência" uns dos outros. Já em Caminha, por exemplo, três freguesias passaram a ser uma só e o sentimento de unidade só tem crescido.

Em Cuba, um referendo aprovou, com 66,7% dos votos a favor, o casamento entre pessoas do mesmo género e o recurso a gestação de substituição.

No espaço Não Alinhados, a polémica em torno dos ministros Costa Silva e Medina foi tema. O antigo ministro João Soares defende o governante com a pasta da Economia e diz que este "não merecia" as palavras do colega de Governo sobre o IRC.

Se quer atravessar o Tejo esta noite em Lisboa, tenha isto em atenção: a ponte Vasco da Gama encerra novamente ao trânsito das 00h até às 6h00. A ponte 25 de Abril é a alternativa.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de