Pandemia sobrepôs-se pela urgência e dimensão a outras doenças infecciosas

Rastreios comprometidos e casos por diagnosticar de sida e tuberculose são consequências de dois anos longe dos serviços de saúde.

O infeciologista Fernando Maltez afirmou esta terça-feira que a pandemia se sobrepôs pela urgência e dimensão a outras doenças infecciosas, como a sida e a tuberculose, o que terá prejudicado o combate a estas doenças.

"A situação neste momento tem tendência para regularizar e normalizar, mas obviamente que durante estes dois anos de pandemia, a infeção por SARS-CoV-2 sobrepôs-se pela emergência, pela urgência e pela dimensão a outras doenças prevalentes que, porventura, ficaram aqui e ali prejudicadas e para trás", disse Fernando Maltez.

O médico falava à agência Lusa a propósito das 13.ª Jornadas de Atualização em Doenças Infecciosas do Hospital de Curry Cabral, que decorrem na quinta e sexta-feira, em Lisboa.

O diretor do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Curry Cabral disse que a maior dificuldade de acesso aos cuidados de saúde de doentes infetados com VIH, a dificuldade em levantarem a sua medicação e de se queixarem de problemas decorrentes da doença "com certeza que teve repercussões na saúde dos doentes".

Segundo o infeciologista, estas consequências poderão ser até prolongadas na "perpetuação da infeção": "Se houve abandono de terapêuticas, se houve toma inadequada da medicação pode determinar aumento da transmissão, pode determinar a transmissão da resistência e pode ter consequências negativas".

Pode também ter prejudicado o rastreio, o diagnóstico, porque as pessoas estiveram mais longe dos serviços de saúde.

O mesmo pode-se ter passado com a tuberculose. "Provavelmente, houve muitos casos de tuberculose a nível global que ficaram por diagnosticar".

No continente africano, exemplificou, "a falta de acesso aos cuidados de saúde, o atraso na chegada aos cuidados de saúde, há de ter prejudicado tratamentos de malária".

Nas jornadas que se realizam esta semana especialistas vão debater "o futuro da pandemia de Covid-19", "as variantes víricas e distribuição global", "imunização, reinfeção e impacto na saúde pública", "doenças endémicas e tropicais", "infeção por VIH", entre outros temas.

Fernando Maltez, presidente da Comissão Organizadora das Jornadas, destacou à Lusa importância das jornadas.

"São desde há uns anos umas jornadas importantes a nível nacional e de referência na área das doenças infecciosas a nível nacional, para não dizer que serão provavelmente o principal evento que se realiza no país no que diz respeito às doenças infecciosas", salientou.

Apesar dos constrangimentos impostos pela pandemia, o infeciologista disse esperar que "não fujam à regra" em termos de qualidade, participação, e discussão como tem sido nos últimos anos.

"Esperamos umas jornadas com a mesma qualidade, com temas que têm todos eles muito interesse, em que vai prevalecer a discussão sobre a infeção por SARS-CoV-2 e a covid-19".

As jornadas contemplam três ou quatro áreas respeitantes a doenças infecciosas mais prevalentes, não só em Portugal como a nível global, mas também serão abordadas as infeções clássicas, as infeções emergentes e as doenças endémicas tropicais.

Este ano haverá uma conferência dedicada à história da poliomielite.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de