Sindicato alerta para "desastre à vista" por falta de médicos na urgência do hospital de Portalegre

Há repetidamente médicos a realizarem turnos de 48 horas e por vezes de 60 horas ininterruptas, denuncia o SIM.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) argumentou esta quinta-feira que as urgências do hospital de Portalegre têm um "desastre à vista", por as escalas dos médicos estarem alegadamente "sempre abaixo dos mínimos técnicos recomendados".

Em comunicado enviado à agência Lusa, intitulado "Urgência do Hospital de Portalegre com desastre à vista", o SIM diz ter tido conhecimento de que a situação no Serviço de Urgência do Hospital Dr. José Maria Grande, integrado na Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), "continua a degradar-se".

"As escalas dos médicos de urgência estão sempre abaixo dos mínimos técnicos recomendados e repetidamente estão médicos a realizarem turnos [de] 48 horas (e por vezes de 60 horas) ininterruptas, muito acima do que é legal", denuncia o sindicato.

De acordo com o SIM, esta situação poderá potenciar "o erro médico" e colocar "em perigo a segurança dos profissionais e dos doentes".

No mesmo comunicado, o Sindicato Independente dos Médicos afirma que já alertou inclusive a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para esta situação.

"Lamentavelmente, o pedido repetidamente formulado à IGAS para que estas escalas de urgência sejam alvo de investigação fica sem resposta", pode ler-se no documento.

O mesmo sindicato acrescenta que tem "inclusivamente alertado para o perigo de, mantendo-se esta situação, haver perda de idoneidade de alguns serviços".

"E é sabido como a formação de médicos internos é vital para a instituição e a prestação de cuidados de saúde", acrescenta.

Ao longo dos "últimos anos", o SIM tem "repetidamente alertado" o Ministério da Saúde para a "situação difícil" que vive a ULSNA, que gere o hospital de Portalegre, "avisando sobre a falta de condições de segurança e de trabalho" dos médicos.

Está também em causa naquela unidade hospitalar "a falta de políticas para a captação" de médicos para a região, bem como de "incentivos" para que os médicos que já se encontram na região não a abandonem.

"O silêncio, quer do poder central quer do conselho de administração [da ULSNA], é sintoma da falta de interesse pela resolução dos problemas e pela saúde da população alentejana", critica, no comunicado.

A Lusa contactou o conselho de administração da ULSNA para obter uma reação, mas a mesma escusou-se a reagir.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de