Um terço dos docentes que ensinam professores sem formação no ramo educacional

Em declarações à TSF, Mário Nogueira refere que a formação de professores é agora baseada na teoria, com pouca componente prática, e considera que a formação de docentes do ensino superior "também deveria ser acautelada".

Um terço dos docentes responsáveis pela Formação Inicial de Professores não tem formação no ramo educacional e muitos dos que têm formação académica ajustada falta-lhes experiência de dar aulas no ensino obrigatório, revela um estudo do Edulog.

Uma equipa de investigadores analisou as características académicas e profissionais dos docentes que asseguram a formação inicial de professores dos ensinos básicos e secundário em Portugal e concluiu que a maioria tem doutoramento e formação académica ajustada às unidades curriculares que leciona.

No entanto, um em cada três professores não tem formação no ramo educacional e os perfis académicos estão desajustados à natureza de algumas componentes de formação, segundo o estudo "Perfil académico e profissional de professores do ensino superior que asseguram a Formação Inicial de Professores", coordenado pela professora Carlinda Leite, da Universidade do Porto.

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, ouvido pela TSF, considera que as conclusões do estudo mostram que houve uma alteração no modelo de formação. Para o líder sindical, a formação dos docentes é, agora, baseada na teoria, com pouca componente prática.

"A formação de professores, independentemente de quem leciona no ensino superior, sofreu uma alteração profunda, acabando com os estágios pedagógicos. Isto já não tem a ver com os docentes do ensino superior, tem a ver com o próprio modelo de formação de professores do básico e secundário e que teve uma alteração grande. Deixou de haver o ano de estágio, estágios pedagógicos, que eram já estágios remunerados, em que os docentes tinham turmas atribuídas. Eventualmente, até por razões economicistas, acabou-se com isso e a formação de professores começou a ser muito mais centrada na teoria do que na prática", explica.

Mário Nogueira afirma que é preciso mudar a formação dos professores e sublinha que o programa de Governo já aponta nesse sentido.

"Acho que essa é uma discussão a que não podemos passar ao lado e tem que haver alterações. Já o Governo anterior e, agora, esta equipa ministerial no próprio programa do Governo aponta para a necessidade de alterar aspetos da formação de professores, eventualmente, centrando-a mais na prática, e também deverá fazer-se esta discussão que tem a ver com os próprios docentes do ensino superior. Mesmo os nossos colegas do ensino superior, da Fenprof, reconhecem que a formação pedagógica dos docentes do ensino superior, que dão aulas e não fazem apenas investigação, deveria também ser acautelada", acrescenta.

Existe um "grupo de pessoas que lecionam matérias e não têm a devida formação, mas a esmagadora maioria tem", disse à Lusa David Justino, membro do Conselho Consultivo do Edulog, entidade que financia o estudo hoje divulgado.

No entanto, entre os professores com formação adequada há muitos a quem lhes falta "experiência de dar aulas no ensino básico ou secundário", sublinhou o ex-ministro da Educação, explicando que essa falha faz com que os cursos acabem por ser "mais teóricos e menos práticos do que seria desejável".

Os professores com experiência em dar aulas no ensino obrigatório são em "número reduzido", lê-se no estudo que analisou os 148 cursos existentes em instituições públicas e privadas acreditados pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

"Há cursos com qualidade e outros sem qualidade", sublinhou David Justino, defendendo, por exemplo, a necessidade de se elaborar um perfil que evidencie que formação deve ter quem prepara educadores de infância, um professor do 1.º ciclo ou do ensino secundário.

A autonomia científica e pedagógica das instituições de ensino superior permite-lhes desenhar os seus cursos, que depois são avaliados e acreditados pela A3ES, mas para David Justino falta a definição de um perfil comum que se pretende dos professores.

"Penso que deveria ser o Ministério da Educação a fazer um esforço no sentido de definir esses perfis, dizendo quais as capacidades, características e conhecimentos que são esperados dos professores. Era fundamental que existisse uma base comum, até para que a avaliação da A3ES fosse mais eficaz", defendeu, lembrando que nos finais dos anos 90 foi desenhado um perfil, mas "está já completamente ultrapassado".

No que diz respeito às atividades de investigação, o estudo do Edulog mostra que a maioria dos docentes tem ligação a centros de investigação, mas o volume de publicações de artigos é, regra geral, baixo.

Também no campo da investigação, é reduzida a publicação de artigos científicos em revistas indexadas, sendo mais expressiva no caso dos docentes ligados ao ensino universitário do que ao politécnico.

À Lusa, David Justino salientou que o estudo hoje divulgado "serve como ponto de partida para uma reflexão mais alargada sobre a importância da Formação Inicial de Professores", tendo o Edulog, da Fundação Belmiro de Azevedo, apresentado várias recomendações.

Para o Conselho Consultivo do Edulog, as instituições de ensino superior (IES) devem envolver os seus docentes e investir na progressão da carreira académica.

As IES devem oferecer condições aos docentes para o envolvimento em projetos relacionados com esta área de ensino, assim como para a produção científica e investigação.

No caso dos docentes sem formação académica de base educacional, as instituições devem promover atividades de desenvolvimento profissional que estejam relacionadas com o exercício da docência nos níveis escolares para os quais estão a formar.

Aprofundar conhecimentos sobre práticas de ensino supervisionado e criar condições de envolvimento dos estudantes, em estágio, em atividades de investigação sobre a prática docente são outras das recomendações do Edulog.

O estudo considerou um total de 1.736 docentes que asseguram o ensino de 2.878 unidades curriculares de cursos de ensino superior público e privado.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de