Postal do Dia

Já ninguém escreve postais, mas a TSF insiste e manda bilhetes postais com destinatário. Em poucas palavras mas com ideias que fazem pensar: "Postal do Dia", com Luís Osório. De segunda a sexta-feira, às 22h45 e sempre em tsf.pt.

Postal do Dia

Que Salazar caia outra vez da cadeira

Que Salazar caia outra vez da cadeira

1.
António Oliveira Salazar morreu há 52 anos.
Foi na passada quarta-feira que um amigo me avisou da efeméride - vais
escrever um postal sobre o homem? Disse-lhe que não, mas depois pensei
melhor.
Sim, vou escrever um postal sobre um homem mesquinho, apesar de inteligente.
Um homem casto e virgem, apesar das fábulas com mulheres.
Um homem ignorante, apesar de culto.
Um homem mau, apesar de muitos jurarem que era sério.
Um homem que foi enterrado em campa rasa só para marcar uma posição.

Os que abandonam os seus animais quando se aproxima agosto

Os que abandonam os seus animais quando se aproxima agosto

1. Quando se aproxima agosto as associações que recolhem animais não têm
mãos a medir. São centenas de cães e gatos perdidos, aterrorizados,
confusos e em desamparo.

As associações e canis sabem que quando se aproxima agosto têm de
olhar com mais atenção para debaixo dos carros. Têm que estar atentos
ao ladrar tímido, ao pequeno ganido ou miado em casas abandonadas.
Normalmente são cães ou gatos muito jovens, cães que são despejados
quando chega o verão por pessoas que, afinal, não se adaptaram a
tê-los em casa, muito cocó, muito chichi, muita paciência, um incómodo
que não sabiam ser tão chato. Ou abandonados por malta que deseja ir
para férias e não encontrou uma solução: é provável que ao fim de dois
ou três mergulhos em praias apinhadas de gente e esquecimento já não
se recordem do cão ou do gato.

Ou então talvez lhes fique a pesar um bocadinho na consciência. Talvez
até possam começar a criticar a excessiva tendência para humanizarmos
os animais porque um animal é um animal e o mundo está mesmo virado do
avesso. Passam a ter uma opinião e podem prosseguir com tudo
explicadinho na sua cabeça ou então não, ou então não existe
sentimento algum, só amoralidade.